sexta-feira, novembro 18, 2005

As Tuas Mãos

Estás agora muito próximo

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Sinto a tua respiração, o teu bafo

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Subitamente, o ar ficou frio

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Não te senti aproximar, coisa que nunca tinha acontecido

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Nos teus olhos reconheço aquele olhar

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Não lhes vejo vida, estão cegos

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Tento falar mas não consigo

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Agarro-me a ti mas não tenho força, não me sentes

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Quem és tu? Não te conheço

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Onde está o homem por quem me apaixonei?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Quando começaram as tuas palavras a ficarem ocas?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Quando começou a minha vida a ficar vazia?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Quando foi que te afastaste de mim?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Tentei falar contigo, não deixaste

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Quando foi que te perdi?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Em que pensas, o que sentes?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

O que fiz eu?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

O que não fiz eu?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Porquê?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Que loucura é essa que eu vejo no teu rosto?

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Rosto que se desvanece

tenho as tuas mãos no meu pescoço

A luz que se turva

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Já só há sombras nas paredes

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Os sons tornam-se eco

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Abro mais os olhos mas vejo menos

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Estás agora longe

tenho as tuas mãos no meu pescoço

Pairo por cima de ti

Já não tenho as tuas mãos no meu pescoço

28 comentários:

LUA DE LOBOS disse...

uma cena de violência doméstica a seco e a frio... escrevi sobre este tema e nunca me cansarei de o denunciar.

@ disse...

Arrepiei-me só de ler... Realmente é pena que aconteça, porque se duas pessoas decidem alguma coisa é porque querem que funcione.

E depois pelo caminho como é?

Apercebem-se que querem que o outro mude, então não tentavam nada. Nunca se muda para melhor o que acontece é que se aceita o outro tal como é, com defeitos e qualidades.

Mas esses defeitos não se aceitam...

segurademim disse...

Nunca tinha imaginado uma situação destas... a violência ou demência?? são assustadoras, como é possível chegar a um ponto destes? a pergunta chave é quando foi que te perdi?

Intrigante como se instalam, sem que sejam percebidos, as distâncias e os desesperos entre pessoas que se amam...

Que calafrio...

Anedotas & Companhia disse...

Epá, até fiquei branco!

Claudia Perotti disse...

Uia!
Dei uma passeada por entre tuas letras e adorei-as.
Boa surpresa! Bons Ventos!

Agradeço-lhe a visita na minha página.

Beijos

th disse...

Rui. admirávelmente escrito, convincente e quase nos leva a sufocar...podia muito bem ser um guião de um skech televisivo. Parabéns! th

legivel disse...

... a mulher deve ter ficado num belo estado! Também não era necessária tanta violência; um tiro com silenciador, era mais rápido...

Vilma disse...

Fiquei arrepiada..
Vim retribuir a tua visita! És sempre bem vindo! :)

Lagoa_Azul disse...

Felismente que na vida num dado momento se consegue tirar as mãos de nosso pescoço, pior de quem se deixa abafar por essas mãos e não grita bem alto para que jamais quaiquer mãos se voltem a colocar em redor do pescoço.
Gostei das tuas mãos no pescoço do teclado, e o que elas escreveram foi simplesmente magnifico.
Esse tema infelismente mexeu comigo, e me é muito caro.
Resto tarde feliz...

Sara MM disse...

O "threshold" é sempre tão dificil de encontrar ou estabelecer...

Anónimo disse...

Mt bonito, como sempre!

Beijos
ss

Gina disse...

Num momento qualquer das nossas vidas, sentimos mãos no nosso pescoço, seja as do marido, da mulher, dos pais e até dos filhos que nos limitam nas nossas decisões a tomar.Uns conseguem libertar-se delas outros não.
Mais uma vez, lindo, me identitifico, com o que escreves, e com a forma de o dizeres.
Beijo grande e b.f.s

Neith disse...

Um texto muito bem concebido...a sincronia das palavras que nos levam até um desfecho final avassalador...perfeito. Beijinhos e bom fim de semana :)

Vampiria disse...

Bolas, um subito arrepio, uma expressao fantasmagorica, como um poltergeist manifesta se aki, qd li o teu texto...morreste lhe nas mãos...

Martuxa disse...

Forte, directo...
Dei-te a mnh vida e tu tiraste-ma... Cm pode o amor ser assim, chegar a este ponto e nd se fazer... Entreguei-te o meu coração e fizeste-o parar!!
Beijinhos

butterfly disse...

Realmente um texto bastante forte...que nos faz pensar...descreve muito bem certas realidades!
Obrigada pelas palavras deixadas no meu cantinho!
Beijinhos!!

Anónimo disse...

Uma libertação estranha... mas n deixa de ser uma libertação.
Grande mudança, mas estás perfeitamente à altura dela. Gostei! Tão puro e duro qto o tema escolhido...

LD

Sparkling disse...

Magnifico!
Adorei visitar o teu blog, gosto muito da forma como escreves!
Bom fim-de-semana!
*^*^*^*^

Aromas Do Mar disse...

Uma libertação um pouco assustadora, porém descrita de uma forma soberba.

Bom fim de semana

Lina (mar revolto)

Mary Mary disse...

Safa!!! Um gigantesco arrepio na espinha... Está muito bom este post... Parabéns!!!

Marta disse...

está mesmo mt bom, sente-se o desepero, a procura de respostas, a luta pela vida e depois...nada...
bjs****

Desconhecida disse...

Texto muito expressivo quanto ao que quer transmitir...quantas e quantos terão neste momento umas mãos no pescoço?

Aromas Do Mar disse...

Olá :)

Vem brindar connosco, vens? ;)

Beijinhos

LUA DE LOBOS disse...

vem ao meu blog porque é importante a mensagem... muito.

virilão disse...

Luka, também está por aqui?
Quem vai olhar por ele?

BloodyMary disse...

Crónicas de uma vida...infeliz e incrivelmente comum...

Excelente post este!

Beijos**

Vanessa disse...

Ando meio desactualizada neste blog.
Os teus textos exigem de mim mais tempo do que os textos dos restantes blogues que costumo visitar. Eu até venho espreitar-te mas não tenho comentado só porque não te tenho lido com a atenção devida.
Li este e ...arrepiei-me!

Surpreendes-me, não nego :)

Jinhitos da kukolandia

Clara Hall disse...

ando em viagem num blogue a leste de sítio nenhum e, sem querer interromper o fervilhar das palavras que hão-de ser livro, decidi parar um pouco para dizer que gostei deste texto. quer dizer, gostei um pouco mais deste do que dos outros, é isso.
:)boa noite, boa escrita.