quinta-feira, abril 22, 2010

Nas Lonas

Quando era mais novo, talvez fruto de seu pai ter sido marceneiro, sempre fora rapaz para armar barraca. Com o passar dos anos, a semente da maturidade encontrou nele solo suficiente e ganhou raiz. Mais calmo e sábio em relação às coisas da vida, passou a armar tendas. E fez disso negócio. Mas, tal como os carrosséis, a vida dá muitas voltas e, na mesma terra em que um dia despontou a maturidade, nasceu também a esperteza saloia. Quando a crise veio e a procura de tendas foi, engendrou um estratagema para as pessoas precisarem dos seus abrigos: um pombal móvel, atrelado à camioneta das tendas. Agora, quando o negócio alivia, ele carrega na dose de laxante que mistura no milho que dá aos pombos. E é vê-lo pelos telhados do país, a dar asas à imaginação.


Carrasqueira

16 comentários:

Maria Liberdade disse...

:) Só tu... raios partam os pombos, dirão...

legivel disse...

... esta faz-me lembrar um outro: dedicava-se no Inverno ao negócio de cascas de castanhas assadas. No princípio os fregueses protestavam "mas você não me deu castanhas. São apenas cascas!" mas depois da resposta do vendedor acabavam por voltar "e o que é que você mais queria? em vez de uma dúzia de castanhas leva as cascas de umas cinquenta... "

lélé disse...

Mas isto é para rir ou para chorar?

Fez-me lembrar uma cena do filme do Mel Brooks "Alta Ansiedade"...

Fez-me lembrar uma cena da justiça portuguesa perante a corrupção...

ss disse...

Hoje de manhã vi uns quantos pombos aturdidos, talvez tivessem laxante a mais...

(a Carrasqueira é em Tróia?... sitio magnifico para ser fotografado)

R. disse...

É caso para dizer que há coisas que nunca mudam. A idade apenas transforma a manifestação. Na essência, tudo permanece igual... As fotos são belíssimas. Há nelas uma certa nostalgia, condizente (ou consequente?) com a omnipresença das nuvens e com o preto-e-branco que as pinta.

R. disse...

É caso para dizer que há coisas que nunca mudam. A idade apenas transforma a manifestação. Na essência, tudo permanece igual... As fotos são belíssimas. Há nelas uma certa nostalgia, condizente (ou consequente?) com a omnipresença das nuvens e com o preto-e-branco que as pinta.

via disse...

não sou dada a pombos por aí à solta, negócio com futuro era abrir restaurante com prato de pombo.

Morgaine disse...

Que bem que me sabe vir por aqui passear :)

legivel disse...

... por falar em pombos: a águia vitória resguardou-se para a luz, ´´ tá visto...

Náná, a emergente disse...

:)) é pá, fiquei um pouco preocupada, o meu avô era marceneiro... queres ver que?

Um abraço

JPD disse...

É sempre recomendável: tratar bem a imaginação.

Quanto às fotografias, exibes um belíssimo lote.

Um abraço

legivel disse...

...ainda a festejar?!

ss disse...

Digo o mesmo... ainda de ressaca?!

:)

segurademim disse...

... não percebo nada

mas afinal quem é que está nas lonas? ou levou nas lonas?

Rui disse...

Malta,

Não fui ao Marquês, mas fui ao estrangeiro. Ainda não abri a mala. Mais uns dias são precisos.

Abraços.

tb disse...

Eu abri a mala das fotos. e que belas. Um dia ainda roubo alguma para ali ao ladito. :)
beijinho