segunda-feira, janeiro 16, 2006

O Erro Do Meu Erro

Ainda a propósito do meu último texto. Algumas pessoas apontaram um erro ao meu erro: que a associação do nome da localidade de nascimento de Leonardo estava de tal interiorizada pelas pessoas, que já não há como uma coisa não signifique a outra e, portanto, é perfeitamente aceitável que o livro do Dan Brown se chame “O Código Da Vinci”.

É, também, para mim evidente que sim, que têm razão. Não me passa pela cabeça que haja quem não saiba de quem se esteja a falar com aquele título, que se está a falar de uma pessoa e não de um local e que essa pessoa seja Leonardo – apesar do título não ser “O Código de Da Vinci”.

Eu usei esse exemplo precisamente por isso!
Entendendo eu que, do ponto de vista estritamente literal, existe um erro – e talvez erro não seja o termo mais adequado, apenas o usei na falta de melhor termo -, muito poucas pessoas pensa nisso exactamente por o nome da localidade e o da pessoa estarem enraizadamente associados.
O objectivo do texto era fazer um paralelismo dessa situação com as nossas vidas: haver coisas – comportamentos, opiniões, maneiras de ser, de pensar, filiações, etc -, que, por estarem de tal maneira interiorizadas em nós, deixaram de ser questionadas, tornaram-se dogmas. E isto, desde logo, porque muitas vezes já nem damos por elas… um pouco como quando vamos a conduzir não necessitarmos de racionalizar que antes de meter uma mudança, temos de pisar o pedal da embraiagem.
(Possivelmente, resume-se tudo à minha dificuldade em lidar com dogmas e fundamentalismos e achar que, antes de lidarmos com os que nos tentam impor, devíamos lidar com os auto-infligidos).

Não terá sido o melhor exemplo e não terei conseguido explicar o meu ponto de vista, por isso esta tentativa de concretizar um pouco melhor a ideia que estava por detrás do texto anterior.

Agradeço, mais uma vez, a todos as vossas opiniões.

15 comentários:

Sara MM disse...

Eu percebi... e continuo a dizer o mesmo: se a embraiagem mostrar que vai partir... ai não que não "pensas" nela mais a sério!

BJs
PS- estou a gostar das mudanças... (não as do carro, nem as do exemplo!)... refiro-me às alterações na frase por baixo do nome no blog... e as correspondentes alterações na maneira de escreveres... pelo menos é o que parece!

Anónimo disse...

Erro do erro perdoado.... lol
Já reparáste q 'A Paixão de Cristo' tb ficou mal traduzida? Damos por certo como sendo o nome dele - Jesus Cristo... qdo na verdade, o título original 'The Passion of the Christ' - A Paixão 'do' Cristo - tem mto mais razão de ser... ele foi, sem dúvida, um cristo, mas há tantos no mundo.
(desculpa o áparte... é daquelas coisas...)

LD

@ disse...

e os auto-infligidos ás vezes são bem difíceis de superar...

basta mudar de pensamento.

virilão disse...

considera-te concretizado, cá por estes lados...passa á frente e chuta uma daquelas tuas texturas que nos fazem usar o pequeno (no meu caso) miolo.

Mónica disse...

Viva a capacidade de pensar e de mostrarmos que não são as massas que nos embrulham.

Com erro ou sem erro a verdade é que os auto.infligidos são dificeis de ultrapassar, não damos conta deles.

Venham mais textos que é disso que precisamos, com erro ou sem erro o importante é aumentarmos a nossa "intelectualidade cultural"...

Boa semana

:)

singularidade disse...

As traduções nem sempre se ajustam. boa semana.beijo

Anónimo disse...

Tas perdoado!

Agora siga outro texto, um que nos faça sonhar, pode ser????

Beijos
ss

Ana P. disse...

Ohh Rui, um jinhu...mas só um hã!!

Com carinho
Ana

M.M. disse...

Olá Rui

Passei por cá para te convidar a participar nas iniciativas "Um Livro à Quarta" e "Um Álbum à Terça". Vá lá, são iniciativas interessantes, não são?
Um beijinho para ti.

P.S. Fica feito o esclarecimento quanto ao teu post, mas acho que nem era preciso. Fico a aguardar os excelentes posts com que sempre nos brindas.

missixty2000 disse...

rui eu também acho que não era preciso essas explicações!Apesar de eu ter sido das que não concordei que fosse um erro, percebi o teu ponto de vista!Tens razão em tudo o que disseste, menos em eles se terem enganado!!Claro que foi prepositado!!Mas foi interessante ver o outro lado da questão!!
Não tenhas medo de dizer o que pensas!!!Todos temos liberdade para o fazer!

Dani disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Dani disse...

Pronto, eu só queria lançar mais uma acha para a fogueira, na discussão que lançaste. Concordo com o que disseste, mas apenas quis falar no outro ponto de vista. E como diz o virilão, e que tal agora fazeres-nos novamente pensar... Não me parece que tenhas que te dar ao trabalho de justificar as tuas opiniões. ;)

Anónimo disse...

... Para bom entendedor, neste nosso caso como bons leitores que somos, meia palavra basta. Beijinho e queremos
mais
mais
mais
mais
mais
heheheheheh Bjs. Jaqui

Anónimo disse...

Oh, Rui adorei as tuas fotos, não sabia que tb tinhas essa paixão para além da escrita. Bjs :-) Jaqui.

manhã disse...

Sim algumas falsas opiniões estão interiorizadas mas continuo a achar que "Da Vinci" é um apelido identificador de Leonardo e que não há qualquer dogma aí.